A Ponta do Iceberg's Blog

Como você faz a diferença?

Faber-Castell coleta e reutiliza mais de 65 mil materiais escolares junho 25, 2014

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 6:01 pm
25 de Junho de 2014 • Atualizado às 08h00

 A ação faz parte da Brigada de Instrumentos de Escrita da Faber-Castell.

A ação faz parte da Brigada de Instrumentos de Escrita da Faber-Castell.

Preocupada com a destinação correta dos resíduos de instrumentos de escrita, a Faber-Castell, em parceria com a TerraCycle, acaba de promover pelo segundo ano consecutivo a ação “Faxina nos Armários” – um projeto que colabora com a redução de lixo através da reciclagem.

Com o programa, estudantes de todo o Brasil podem enviar seu material escolar de qualquer marca, gratuitamente, para reciclagem. O “Faxina nos Armários” faz parte da Brigada de Instrumentos de Escrita Faber-Castell, onde todo o material coletado é transformado em matéria-prima novamente e vendida para fornecedores diversos – não somente de materiais de escrita. Essa matéria-prima é introduzida na cadeia produtiva novamente e pode ser transformada em produtos variados, como por exemplo, uma lixeira. A TerraCycle transforma resíduos difíceis de reciclar em uma grande variedade de produtos de consumo. Estes novos produtos desviam os resíduos de aterros e contribuem para um mundo mais limpo.

Participar é fácil: basta algum responsável pela escola cadastrá-la na Brigada de Instrumentos de Escrita Faber-Castell no site da TerraCycle. Os alunos e professores devem juntar os materiais de escrita para serem descartados e levá-los para as suas escolas. Podem ser enviados todos os instrumentos de escrita tais como lápis, lápis de cor, lapiseiras, canetas, canetinhas, borrachas, apontadores, destaca texto, marcadores permanentes e marcadores para quadro branco, de qualquer marca, que não funcionam mais ou estejam quebrados. Entre os diversos prêmios estão 55 mil pontos bônus que podem ser revertidos em doações (cada ponto equivale a R$ 0, 01) para uma escola ou fundação sem fins lucrativos.

O programa também é estendido a empresas e organizações com interesse em enviar materiais para reciclagem. Além de colaborar com a redução de lixo por meio da reciclagem, o participante dos times de coleta da Brigada de Instrumentos de Escrita Faber-Castell junta pontos, que são convertidos em uma doação em dinheiro para as próprias escolas ou entidades sem fins lucrativos escolhidas pelos times.

O Colégio Cenecista Pedro Antônio Fayal, de Itajaí (SC), foi o grande vencedor desta segunda edição, com a coleta de 65.922 unidades – um resultado 85% maior em relação ao mesmo período do ano passado.

Qualquer pessoa pode montar um time de coleta de instrumentos de escrita para serem reciclados. Basta se cadastrar gratuitamente no site da TerraCycle, juntar os produtos e enviar sem custo pelo correio. Quem se cadastra pode formar um time de coleta com outras pessoas em casa, na empresa, na escola ou mesmo um grupo de amigos. Para cada 12g de resíduos (o que equivale ao peso de um lápis ou uma caneta), são doados R$ 0,02 para uma escola ou organização sem fins lucrativos, escolhida pelo próprio time de coleta.

Além do programa gratuito, as brigadas são uma excelente oportunidade para arrecadar fundos para as escolas, incentivar a coleta de resíduos, e é uma maneira eficaz de inserir a educação ambiental na sala de aula. No site www.terracycle.com.br e nas redes sociais, os professores podem encontrar o passo a passo de objetos feitos a partir daquilo que viraria lixo.

 

Dispositivo reduz até 35% do consumo de energia elétrica

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 5:57 pm
27 de Maio de 2014 • Atualizado às 14h14
O aparelho é indicado para geladeiras, freezers, bombas de piscinas e de hidromassagem.

O aparelho é indicado para geladeiras, freezers, bombas de piscinas e de hidromassagem.

A cada dia as pessoas ficam mais dependentes da energia elétrica e dos milhares de aparelhos que dela dependem para funcionar, mas esquecem de calcular os prejuízos que o uso desenfreado da tecnologia causa tanto para o bolso quanto para o meio ambiente.

Algumas atitudes, como apagar a luz quando não estiver no cômodo, escolher eletrodomésticos de baixo consumo energético para aquisição e tirar da tomada os aparelhos que não estiverem em uso, minimizam os impactos negativos do consumo de energia. A empresa On Eletrônicos apresenta mais uma solução para a economia de energia, o aparelho economizador inteligente Economicus.

Trata-se de um pequeno dispositivo capaz de economizar até 35% do consumo de energia. Isso acontece porque ele funciona como um dosador que fornece somente a carga necessária para o funcionamento do aparelho, evitando desperdícios.

Além da economia, proporciona uma série de vantagens ao consumidor: torna a partida do motor mais suave, reduz a temperatura, a vibração e o ruído, o que aumenta a vida útil dos equipamentos.

Para fazê-lo funcionar, basta ligá-lo ao aparelho e, em seguida, na tomada. O aparelho é indicado para geladeiras, freezers, bombas de piscinas e de hidromassagem.

O equipamento já está sendo comercializado no Brasil e custa cerca de R$ 90,00.

 

Fonte: http://ciclovivo.com.br/noticia/dispositivo-reduz-ate-35-do-consumo-de-energia-eletrica

 

 

Já refletiu sobre a sustentabilidade… janeiro 13, 2014

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 10:15 pm

flor da sustentabilidade

Fonte: https://www.facebook.com/obras.sustentaveis

 

XV FIMAI/SIMAI NO PAVILHÃO AZUL DO EXPO CENTER NORTE novembro 1, 2013

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 4:40 pm

fmai

Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade

A FIMAI – Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade, que acontecerá nos dias 05, 06 e 07 de novembro de 2013, no Pavilhão Azul, do Expo Center Norte, em São Paulo, SP, representa uma mostra atualizada de opções na área ambiental e possibilita o contato com os mais importantes especialistas e empresários atuantes no Brasil.

Considerada como a mais importante feira do setor de Meio Ambiente Industrial na América Latina, a FIMAI apresenta-se como excelente opção para mostrar o que há de melhor e mais avançado em nível mundial, sendo um grande atrativo para investidores e empresários nacionais e internacionais que desejam estreitar contatos com empresas do setor, fazer negócios e expandir sua rede de relacionamentos comerciais. Novas tendências, inovações tecnológicas, práticas ambientais bem sucedidas e proatividade no setor socioambiental é a marca registrada dos expositores da feira, transformando o evento em um centro gerador de experiências e de negócios importantes.

A cada ano, desde sua 1ª edição em 1999, a Fimai e seus eventos paralelos reafirmam a proposta de perpetuar a “sustentabilidade” no setor industrial.

O excelente nível dos expositores e visitantes reforça o crescimento exponencial do mercado ambiental brasileiro. Demonstra também a importância dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos em busca da sustentabilidade nacional e seu reflexo no cenário mundial.

Produtos e Serviços

  • Produção mais Limpa e Ecoeficiência
  • Água e Esgoto;
  • Análise de Riscos;
  • Consultoria e Prestação de Serviços Ambientais;
  • Educação Ambiental;
  • Emissões Atmosféricas;
  • Equipamentos e Tecnologias;
  • Fundos de Investimentos;
  • Gerenciamento de Resíduos;
  • Laboratórios Ambientais;
  • Mercado de Créditos de Carbono;
  • Reciclagem;
  • Remediação de Solo;
  • Responsabilidade Social;
  • Segurança e Saúde Ocupacional;
  • Sistemas de Gestão Integrados;
  • Sustentabilidade;
  • Transporte de Produtos Perigosos;
  • Tratamento de Efluentes
  • Atendimento Emergencial
  • Direito Ambiental

Além disso, a Fimai conta com uma gama variada de empresas de consultoria e prestação de serviços nas áreas de: aterros, incineradores, co-processamento, tratamento físico-químicos e biológicos, inventários de emissões, reciclagem de resíduos.

Outros setores presentes na FIMAI:

Representantes do setor de Equipamentos: sistemas automatizados para controle de odores, tratamento de efluentes industriais, saneamento; bioremediação; tratamento de óleos e derivados de petróleo; detectores de gases; monitores portáteis; sistemas autônomos; prensas enfardadeiras e hidráulicas; proteção respiratória; contenção de vazamentos; combate a incêndio; câmaras térmicas; bombas dosadoras; controladores de pH, entre outros produtos.

Laboratórios Ambientais: diagnósticos e análises ambientais físico-químicas e bacteriológicas, medições e tecnologias para tratamento de ar e emissões atmosféricas, análises de solo, água, vegetação, resíduos, toxicologia, instrumentação analítica, entre outros.

 

5 inovações sustentáveis desenvolvidas por jovens brasileiros

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 4:10 pm

Energia limpa, economia de água e aproveitamento de resíduos foram os impulsos para as invenções.Energia limpa, economia de água e aproveitamento de resíduos foram os impulsos para as invenções.

Não é só no exterior que os jovens vêm desenvolvendo soluções sustentáveis para diminuir os impactos causados pela sociedade no meio ambiente. O CicloVivo visitou a 7ª Feira Tecnológica FETEPS, realizada em São Paulo até a última quinta (24), e separou cinco inovações em tecnologias verdes expostas no evento.

Entre as principais novidades, figura uma válvula sustentável que calcula o tempo de banho, uma moto capaz de carregar celulares com a energia do sol e uma lanterna para bicicletas que acende conforme os movimentos das pedaladas.


Criadores da válvula sustentável para chuveiro apresentam a solução durante a 7a FETEPS. | Foto: CicloVivo

Válvula sustentável para chuveiro

A grande demanda por água encanada nos meses de verão no litoral paulista fez com que os estudantes da ETEC Caraguatatuba desenvolvessem uma válvula sustentável para chuveiros: criado por uma equipe de três estudantes, o sistema evita que as pessoas demorem no banho, economizando água e dinheiro.

Ainda sem patrocinadores, o controlador de tempo restringe o banho em até quinze minutos e tem um custo de implantação que é superado nos descontos de água e luz. “Quando você está debaixo do chuveiro, não tem noção de que o tempo está passando. Como o banho é uma atividade confortável, muitas vezes, as pessoas perdem a noção e querem continuar debaixo d’água”, explicou a estudante Monica Pazzini, responsável pelo projeto.


O módulo desenvolvido por estudantes de informática permite que motociclistas carreguem seus celulares com a luz do sol. | Foto: CicloVivo

Baú solar para motociclistas

Um grupo de estudantes de informática da zona leste de São Paulo decidiu criar uma maneira sustentável para aproveitar o tempo que os motociclistas passam no trânsito diariamente. Batizado de Kit Baú Solar, o sistema conta com uma placa fotovoltaica instalada no baú da moto, usada para carregar celulares e outros gadgets durante as viagens.

No módulo criado pelos estudantes, a energia do sol é processada pelo painel e enviada para quantos cabos USB forem necessários, mantendo os aparelhos ligados em situações de emergência. “Nós tivemos esta ideia devido aos motoqueiros que reclamavam que acabava a bateria de seus celulares em momentos importantes”, comentou Marcel, de 18 anos, um dos idealizadores da tecnologia.


O sistema instalado na bicicleta dos alunos de Bebedouro faz com que a lanterna de LED seja ativada com as pedaladas. | Foto: CicloVivo

Lanterna para bike alimentada com pedaladas

Com o objetivo de reduzir o descarte de pilhas e baterias no meio ambiente e aumentar a segurança dos ciclistas, três estudantes de Bebedouro, no interior de São Paulo, criaram uma lanterna ativada com a energia das pedaladas. Desenvolvido com peças recicladas de impressoras, o dispositivo Eletrophotobike é durável e à prova d’água.

Como o módulo transforma a energia mecânica em eletricidade, o equipamento não permanece aceso quando a bicicleta está estacionada – aumentando, assim, a vida útil da lanterna sustentável. A Eletrophotobike ainda está em fase de testes, mas seus criadores têm a intenção de colocar o produto no mercado, para ser vendido a preços acessíveis. “Os produtos ecológicos deveriam custar mais barato do que os convencionais. É preciso que o governo dê incentivos, para que os produtos ecológicos sejam mais baratos, incentivando as pessoas a comprá-los”, afirmou Tiago Gimenez, responsável pelo projeto.


O tijolo de jornal tem custo de produção aproximado de cinco centavos e é mais resistente que os convencionais. | Fotos: Juan & Diego/Pedro Sousa (Flickr)

Tijolo de jornal

Ao contrário da maior parte dos materiais de construção, o tijolo de jornal e gesso tem impacto zero no meio ambiente, além de ser produzido com resíduos. Criadas por três alunos de Ribeirão Pires, as unidades têm custo de fabricação aproximado de cinco centavos e podem ser montadas de forma artesanal, já que dependem apenas de um liquidificador e uma estufa.

Mais resistente que a versão convencional, o tijolo de jornal é bem mais leve, mas ainda não há perspectiva de comercialização. “A implantação do tijolo de jornal iria economizar em todas as etapas, dos recursos e processos de produção à distribuição”, contou o estudante Lucas Araújo Rego, 23 anos.


A fibra do coco, que leva um longo tempo para se decompor, foi a matéria prima para a produção do copo térmico. | Fotos: Bernardo Barlach/Vinicius Costa (Flickr)

Copo térmico com fibras de coco

As fibras de coco, que levam até oito anos para se decomporem na natureza, se transformaram num copo térmico graças a um projeto de três alunos da ETEC Trajano Camargo, em Limeira. O recipiente também utiliza canos de PVC reaproveitados e fibra de carnaúba, uma resina natural não tóxica e de extração sustentável.

Batizado de Termicoco, o projeto dos estudantes deverá ser aprimorado, com objetivo de produzir garrafas térmicas eficientes. Cada unidade levou três dias para ficar pronta – boa parte dos processos foi executada nas próprias casas dos alunos. “Enquanto os copos descartáveis causam prejuízos para o meio ambiente, o copo térmico de fibras de coco pode ser usado várias vezes, com um material que leva anos para se desfazer”, explicou Jhonatan Nunes Xavier, um dos inventores do projeto.

Por Gabriel Felix – Redação CicloVivo

 

Especialista propõe menos consumo em vez do “crescimento disfarçado de sustentabilidade” outubro 29, 2013

Filed under: Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 2:17 pm
Enviado por Luciana em ter, 29/10/2013 – 08:53

Do portal EcoD

A sustentabilidade pode ser usada como um mito perigoso para alimentar o consumo desenfreado. A opinião é de Christopher Barnatt, professor associado na Nottingham University Business School, no Reino Unido. Em artigo publicado no domingo, 27 de outubro, no Guardian Sustainable Business, o também autor do livro “Sete maneiras de consertar o mundo” sugeriu que a busca de crescimento constante não pode ser sustentável e que, em vez disso, devemos desconstruir nossa sociedade de consumo para uma transição voltada a “consumir menos e com mais valor”.

“Infelizmente, agora, a sustentabilidade tornou-se uma obsessão da moda. Talvez a única coisa que a maioria dos políticos, economistas e muitos empresários anseiam ainda mais é o crescimento econômico constante, que é vendido por meio do conceito absurdo de crescimento econômico sustentável”, apontou Barnatt. Segundo ele é impossível viver de forma sustentável, pois a vida é um “processo físico de consumo”. “Podemos escolher alternativas mais sustentáveis, esse é um objetivo louvável, mas o que querem fazer é espalhar a propaganda de que há um meio de continuar vivendo como fazemos agora, mas de uma forma sustentável”, criticou.

O professor lembrou que a humanidade ultrapassa cada vez mais cedo os limites ecológicos anuais do planeta (em 2013 foi no dia 20 de agosto), o que significa que consome mais recursos naturais do que a Terra pode suportar. “A não ser que mudanças drásticas sejam feitas, dentro de 20 anos a oferta mundial de petróleo, água potável, alimentos e muitos minerais deixará de atender a demanda. No entanto, mesmo neste contexto, acredito que devemos deixar a nossa obsessão perigosa com a ‘sustentabilidade'” , sugeriu Barnatt.

Para embasar seus argumentos, o professor citou os exemplos da reciclagem e da energia renovável. Segundo ele, hoje vende-se a ideia de que o consumismo em massa pode continuar ininterruptamente, pois tudo que jogamos fora é “magicamente” reciclado. “Reutilizar os produtos em vez de jogá-los nos aterros é uma boa ideia, mas, infelizmente, faltam tecnologias para transformá-los em novas matérias-primas. A solução é consumir menos”, defendeu.

Menos consumo

Sobre energia, Barnatt observou que mesmo as fontes renováveis implicam, em algum momento, na emissão de gases-estufa, além de possuir vida útil limitada. “As turbinas eólicas, por exemplo, exigem torres, geradores e velas a serem construídas , enquanto as células solares fotovoltaicas não se concretizam fora do ar.”

“Devemos nos concentrar em desconstruir nossa sociedade de consumo e promover uma transição para um mundo em que haja menos consumimos de coisas e mais valor das coisas. A obsessão com a descartabilidade em massa deve ser quebrada e a prática de reparar os produtos com defeito precisa retornar”, advertiu o professor, que também lembrou da importância do consumo local, em contraposição as longas distâncias que envolvem grandes transportes.

Rever conceitos

“Por décadas, a maioria dos economistas pregou os benefícios da globalização, ignorando o seu impacto terrível sobre o meio ambiente e as gerações futuras. Eu não estou sugerindo que todas as formas de comércio global devem cessar, mas não podemos continuar desperdiçando um sétimo dos recursos do planeta no transporte”, ressaltou.

“Nós poderíamos comprar alimentos e roupas em uma base muito mais local. A maioria dos economistas pode dizer que isso é uma mentira. Mas devemos realmente continuar a confiar naqueles que ainda pregam os benefícios da sociedade de consumo e a necessidade de crescimento econômico constante?”, questionou Barnatt.

Para Christopher Barnatt, vivemos em um planeta pequeno, cujo envelope de recursos já foi significativamente ultrapassado. “Qualquer sugestão de que é possível continuar a viver de forma sustentável, como fazemos hoje, deve ser considerada perigosa. Mesmo se pudéssemos explorar os recursos das estrelas nunca poderíamos construir um mundo que seja sustentável. Rotular nossos esforços como tal, e envenenar as nossas mentes com a loucura do conceito atual de sustentabilidade é um exercício que devemos questionar seriamente”, concluiu.

Matéria originalmente publicada em: http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2013/outubro/especialista-propoe-menos-consumo-em-vez-do?tag=economia-e-politica

 

Sementes da Liberdade – a face oculta da produção de alimentos outubro 24, 2012

Filed under: Onde iremos parar?,Sustentabilidade — apontadoiceberg @ 2:33 pm

Seeds of Freedom” – Sementes da Liberdade – (nt.: seedsoffreedom.info), narrado pelo ator Jeremy Irons (nt.: embaixador da ONU para a alimentação), detalha como as sementes que têm sido o coração da agricultura das  comunidades tradicionais e da biodiversidade natural, desde os primórdios do processo agrícola, estão sendo transformadas em ‘commodities’ (nt.: mercadorias) dispendiosas e patenteadas, resultando por isso na monopolização do sistema global de alimentos.
Vejam vídeo com legenda em português no site:

http://www.nossofuturoroubado.com.br/portal/agricultura/sementes-da-liberdade